Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.


Na data de 28 de abril os trabalhadores do mundo todo celebram o “Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho”. Em Curitiba (PR), o SINTESPAR-Sindicato dos Técnicos em Segurança no Trabalho (filiado à UGT) promove uma manifestação no sábado (27/04), com início às 10 horas. Técnicos de segurança e dirigentes sindicais se encontram na frente do prédio da Universidade Federal do Paraná, na Praça Santos Andrade. Depois os manifestantes saem em caminhada pela Rua XV, finalizando com uma grande manifestação na Boca Maldita. “ Queremos sensibilizar a população brasileira, principalmente os trabalhadores dos números alarmantes de acidentes de trabalho no Brasil”, diz o presidente em exercício do SINTESPAR, João Carlos Fassina. Ele lembra que morrem mais pessoas no País vítimas de acidentes do que em conflitos armadas e guerras pelo mundo.”  Além das milhares de mortes, temos um número ainda maior de trabalhadores sofrendo com invalidez permanente, vitimados pelas condições inadequadas no ambiente de trabalho”, denuncia Fassina. O dia de 28 de abril foi instituído por iniciativa de sindicatos Canadenses e escolhido em razão de um acidente que matou 78 trabalhadores em uma mina no estado da Virgínia, nos Estados Unidos no ano de 1969. No Brasil, em maio de 2005, foi promulgada a Lei nº 11.121, criando o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho. Em todo o mundo milhões de trabalhadores se acidentam e centenas de milhares morrem no exercício do trabalho a cada ano. No Brasil, os números também são impressionantes. As estatísticas oficiais do Ministério da Previdência mostram que em 2011 foram registrados 711 mil casos de acidentes de trabalho, com 2.844 mortes e 14.811 trabalhadores sofreram incapacidade permanente. Todos os anos são gastos em nosso País bilhões em recursos públicos com os acidentes do trabalho. Em 2008 foram R$ 46 bi, com assistência médica, benefícios por incapacidade temporária ou permanente, e pensões por morte de trabalhadores vítimas das más condições de trabalho. Essa situação só persiste porque as empresas não cumprem as leis que preveem a proteção da integridade física dos trabalhadores em seus locais de trabalho e a fiscalização do governo é falha. Tradicionalmente as centrais sindicais marcam o 28 de abril com a realização de atividades sobre um tema específico relacionado às questões que afetam a saúde e a integridade física e psicológica dos trabalhadores. Em 2013 está sendo adotado o tema “Pelo fim dos acidentes graves e fatais no trabalho”. Enquanto os patrões lucram cada vez mais, você sabia que... •...no Brasil acontecem cerca de 700 mil acidentes de trabalho por ano? •...morre um trabalhador a cada três horas vítima de acidente de trabalho? •...são registrados em média 80 aci­dentes e doenças do trabalho a cada hora de jornada diária? •...diariamente cerca de 40 trabalhadores não retornam ao trabalho devido a invalidez ou morte? •...cerca de 200 mil mulheres sofrem acidentes de trabalho por ano? •...por ano aproximadamente 18 mil aci­dentes resultam em morte ou invalidez per­manente? •...300 mil acidentes de trabalho cau­sam invalidez temporária de trabalha­dores? •...o país gasta 70 bilhões por ano com os acidentes e doenças do trabalho? Fonte: Anuários Estatísticos da Previdência Social As principais causas de acidente de trabalho são: Ritmo intenso de trabalho; • Metas incompatíveis com as con­dições de trabalho; • Jornada de trabalho excessiva; • Condições precárias de trabalho; • Terceirização da mão de obra; • Descumprimento da legislação trabalhista; • Aumento da produtividade sem a devida segurança; • Trabalho análogo à escravidão; • Assédio moral e perseguição aos trabalhadores; • Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPA’s) ineficientes e controladas pelos patrões; • Sucateamento da fiscalização no Ministério do Trabalho. FONTE: UGT-PR



Leia também: