UGT recebe ministro da Previdência e lança Campanha Contra Informalidade.


O Órgão Colegiado da União Geral dos Trabalhadores (UGT) recebeu o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, na manhã desta sexta-feira (07), na sede da entidade, em São Paulo, onde participou do lançamento da Campanha Nacional pela Formalização do Trabalho. O presidente da central, Ricardo Patah, disse que apesar de vivermos uma situação de pleno emprego em nosso país, ainda precisamos traçar meios para garantir o trabalho decente, lembrando que ainda há muitos problemas nesta área, sobretudo a rotatividade no mercado de trabalho que gera insegurança profissional. Patah disse ainda que para combater um dos principais problemas vivenciados cotidianamente pelos trabalhadores, que é a falta de qualificação, a UGT têm adotado medidas para qualificar o quadro interno da central com a realização de cursos de capacitação. “Investindo na qualificação interna, vamos gradativamente melhorando a situação profissional da nossa população, pois nossos dirigentes são multiplicadores de conhecimentos técnicos em suas bases”. Além de agradecer o convite e renovar o compromisso de acompanhar a luta dos trabalhadores junto com a UGT, o ministro Garibaldi afirmou que os benefícios pagos pela previdência proporcionam maior tranquilidade aos trabalhadores e garantiu que o ministério apoiará a Campanha Nacional pela Formalização do Trabalho, da UGT, que luta para que os empregadores registrem seus trabalhadores, assegurando os direitos garantidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Ainda neste encontro, o secretário-geral da UGT, Canindé Pegado, apresentou um quadro com as ações da central e a atual situação das centrais brasileiras. Afirmando que a UGT, terceira maior central do país, representa hoje cerca de 7,5 milhões de trabalhadores. Estiveram presentes, ainda, o chefe de gabinete da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Estado de São Paulo, Tadeu Moraes de Sousa, o procurador-geral do trabalho, Otávio Brito e o secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim. Fonte: Giselle Corrêa, da UGT - 07/06/2013



Leia também: