UGT-Paraná participa do Congresso da CSI, em Berlim.


Os dirigentes da UGT-PARANÁ João Gerônimo Filho (E), Manassés Oliveira e Paulo Rossi ao lado do presidente nacional da UGT, Ricardo Patah e os sindicalistas da UGT- PARANÁ Paulo Bastos e Paulo Sérgio dos Santos
 
Dirigentes da UGT-PARANÁ, estiveram em Berlim, na Alemanha, participando do 3º Congresso da CSI – Confederação Sindical Internacional, de 16 a 23 de maio. A CSI congrega 325 centrais sindicais de 161 países, representando mais de 176 milhões de trabalhadores. As principais centrais sindicais brasileiras: UGT, Força Sindical e CUT são filiadas à CSI.
 
Tendo como tema “Reforçar o Poder dos Trabalhadores”, o congresso discutiu a crise política e econômica global, e contou com a presença dos dirigentes da UGT-PARANÁ: Paulo Rossi, Paulo Bastos, Paulo Sérgio dos Santos, Manassés Oliveira e João Gerônimo Filho.
 
A CSI é resultado da união, em 2006, da Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres (Ciosl), que reunia concepções europeias e norte-americanas, com a Confederação Mundial do Trabalho (CMT), de orientação democrata-cristã. Surgiu com um slogan conhecido, sobre a humanização da globalização, mas dois anos depois deparou com a crise financeira internacional, que provocou aumento do desemprego, perda de direitos e enfraquecimento do movimento sindical, especialmente nas economias mais desenvolvidas.
 
Ao final do congresso foi eleito para presidir a CSI, o sindicalista brasileiro João Felício, ex-presidente da CUT. Esse cargo será ocupado pela primeira vez por um dirigente da América do Sul.
 
Para João Felício, que contou com o apoio da UGT e da Força Sindical, na sua eleição, uma das prioridades da próxima gestão é intensificar as ações globais, garantindo que as bases implementem as resoluções. "Se a gente quiser concretizar aquilo que a esquerda sempre falou, é preciso ter mais lutas internacionais", afirma. Felício também defende a atuação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que no seu papel de humanizadora das relações trabalhistas, por meio de convenções, estaria sofrendo ataque "brutal" de vários países, inclusive dos Estados Unidos. "A eles não interessa uma OIT forte", disse Felício.
 
A mesma opinião é compartilhada pelos dirigentes Ugetistas. “Temos que estar atentos às investidas por parte do capital e de países que querem precarizar os direitos trabalhistas. Uma prova disso são as constantes práticas antissindicais promovidas pela montadora Nissan, nos Estados Unidos. Além disso, o governo brasileiro estuda a adoção do contrato temporário em que o trabalhador poderá ficar à mercê de direitos básicos. Cabe a nós, dirigentes sindicais, nos unirmos e não permitirmos a retirada dos nossos direitos e da nossa cidadania”, concluiu Paulo Rossi, presidente da UGT-PARANÁ.
 
 
Fonte: UGT Paraná

Post: Alexandre Drulla




Leia também: