Prefeitos cobram recursos da União para reconstrução


O presidente da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná) e prefeito de Assis Chateaubriand, Marcel Micheletto, tentará uma audiência com a União para solucionar os problemas ocasionados pelas fortes chuvas do fim de semana na região Oeste. A orientação é de que os prefeitos das cidades atingidas comuniquem com urgência o governo estadual, decretando estado de emergência. Desta forma, recursos poderão ser enviados para que sejam adquiridas roupas, alimento, medicamentos e produtos de higiene pessoal às famílias desabrigadas.

Segundo Micheletto, ainda não é possível contabilizar os prejuízos da região Oeste. “Ainda é muito recente para verificar este montante, mas a partir desta audiência as prefeituras tentarão adquirir recursos federais para suprir suas necessidades neste momento difícil”, relata. 

 

SUDOESTE

Um dos municípios mais críticos do Sudoeste do Estado é o de Quedas do Iguaçu. O prefeito Edson Prado decretou ontem estado de calamidade pública, já que a cidade foi tomada pela água. Famílias tiveram casas invadidas pela enxurrada e estão em abrigos

No fim de semana a cidade passava por uma situação crítica. Ruas interditas, comércios e casas alagadas e escolas inundadas fizeram o prefeito solicitar uma reunião de urgência e organizar forças tarefas para auxiliar os moradores. “Tivemos que suspender as aulas e vamos elaborar uma ação emergencial na questão de abastecimento de água para população”, destaca.

O problema atingiu também as rodovias que ligam Quedas do Iguaçu a outros municípios. A ponte construída próximo ao Rio Campo Novo, que liga ao assentamento Celso Furtado, foi totalmente destruída pela enchente. Outro acesso na PR-473 entre Quedas e Espigão Alto também está interrompido após o rompimento da ponte. No interior, as pontes do rio Mato Queimado estão destruídas. 

 

Mortes na região 

A região mais afetada no Paraná é a central, principalmente a cidade de Guarapuava, conforme a Defesa Civil. No município, milhares de pessoas permanecem desalojadas, contabilizando os prejuízos causados pela enchente. Além disso, uma das nove vítimas fatais foi confirmada em Guarapuava. As outras oito mortes foram registradas em Quedas do Iguaçu, Medianeira, Sulina, Laranjeiras do Sul, Campina do Simão e Guaraniaçu.

Em Medianeira, as duas mortes foram ocasionadas após o motorista tentar atravessar uma ponte. No veículo estavam três passageiros, um deles uma criança. Segundo o Corpo de Bombeiros de Medianeira, a correnteza empurrou o automóvel para fora da pista, e somente o motorista Eder Durvalino da Silva conseguiu sair do veículo. Sua esposa, Andreia da Silva e o bebê de apenas nove meses, Samuel da Silva, foram encontrados mortos dentro do carro pelas equipes de resgate. Um barco do Corpo de Bombeiros – que no momento do acidente fazia atendimento às vítimas de Missal, resgatando-as de pontos totalmente inundados – atendeu a ocorrência em Medianeira. O acidente ocorreu na noite de sábado.

Na BR-369 os estragos foram enormes. A ponte do Rio Piquiri está totalmente coberta pela água, além de acessos a Anahy, Boa Vista e Iguatu e à PR-180 que segue a Nova Aurora. Os comerciantes e moradores desta região estão ilhados. A situação é grave neste ponto, já que o rio continua subindo. Os motoristas foram impedidos de seguir viagem, e tiveram que estacionar em postos de combustíveis e aguardar a liberação da rodovia. A concessionária Viapar orienta os motoristas que trafegam pelo local. 

 

Aulas suspensas 

Em função das chuvas, a Secretaria de Estado da Educação suspendeu as aulas nos colégios atendidos pelos Núcleos Regionais de Guarapuava, Irati, União da Vitória e Laranjeiras do Sul. Os núcleos somam 217 instituições de ensino e cerca de 110 mil alunos estão matriculados.

O NRE de Laranjeiras do Sul cancelou as aulas da rede estadual de ensino, suspensas aos dez municípios jurisdicionados pelo NRE. As fortes chuvas e os estragos em rodovias e pontes de acesso impedem a passagem dos ônibus escolares. Os alunos só retornarão às salas de aula no dia 24 de junho. 

 

Ajuda

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), assinou na manhã de ontem o decreto de emergência para os municípios atingidos pela chuva do fim de semana. O governo antecipou R$ 6 milhões dos recursos do programa VigiaSus, que seriam liberados aos municípios somente após o mês de julho para auxiliar na compra de medicamentos, contratação e pagamento de hora extra aos profissionais de saúde das cidades atingidas pela enchente.

A Defesa Civil organiza uma campanha para arrecadar colchões, cobertores, roupas de cama, fraldas, água, materiais de higiene e limpeza, roupas e cestas básicas. As doações podem ser entregues em qualquer posto da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros dos municípios afetados, além das sedes do Provopar (Programa do Voluntariado Paranaense).

 

Fonte: O Paraná
Post: Marilene B. Bergamo

 




Leia também: