Exportação de frangos cresce, e movimento no mercado interno também


Fonte: Catve
Post: Marilene B. Bergamo

 

Os números do primeiro semestre do ano e as previsões para os próximos meses trouxeram alívio para a avicultura. A recuperação extraordinária das exportações de carne de frango equilibraram a balança comercial, e também produção e consumo. "Nos últimos 4 anos tivemos um crescimento de 1,5% somando todos os quatro anos, e neste ano teremos um aumento de 3%, muito significativo", Dilvo Grolli.

A venda do produto no mercado internacional saltou de 317 mil toneladas mês de janeiro a junho, para 371 mil toneladas em julho. A responsável pelo crescimento nesse momento é a Rússia, que por questões políticas cortou relações comerciais com os Estados Unidos e com a União Européia, e passou a ter o Brasil como único fornecedor da carne de frango.

O interesse de páises da Ásia e da Europa pelo produto brasileiro reflete inclusive no preço para o produtor e consumidor. No campo o bom manejo aliado ao mercado equilibrado garante o lucro do avicultor.

No supermercado a reação das exportações vai frear o aumento do preço na carne registrado nas duas últimas semanas. "O preço vem numa variante, no mês passado houve uma redução de 10%, e nesse mês ele teve um aumento. O que caiu no anterior agora subiu novamente".

Com a carne mais cara a reclamação dos consumidores são inevitáveis, mas é melhor acostumar com os preços nesses níveis. "A Rússia que está exportando mais carne do Brasil é a salvação da avicultura nacional nesse momento, isso aumenta a produção brasileira. Os preços tiveram pequena reação em julho e agosto, mas agora a tendência é permanecer nos níveis que estão hoje", completa o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.




Leia também: