Irmãos lucram com fabricação de jeans


Fonte: Gazeta do Povo
Post: Marilene B. Bergamo

Marcas Loors e Le Rêve, fabricadas por uma empresa familiar no interior do Paraná e vendidas para varejistas de todo o país, ganharão reforço de linha infantil

Os irmãos Luciano e Júnior Lorensini cresceram em meio às máquinas de costura. Os pais há anos apostavam na facção de jeans e repassaram aos filhos os segredos do setor. Em 2008, os dois decidiram que era momento de dar continuidade ao ramo da família e montaram a fabricante de jeans Loors, detentora também da marca Le Rêve, em São Jorge do Patrocínio (Noroeste do Paraná).

De lá para cá, o trabalho tomou ritmo acelerado. Apostando na confecção de peças masculinas e femininas para atacado, incluindo plus size, que são vendidas a varejistas de todo o país, os irmãos se preparam agora para ampliar em 20% toda a linha de produção e ganhar o público infantil a partir do ano que vem, acrescentando ao catálogo a Le Rêve Kids.

Chão de fábrica

Coleção atual oferece 30 modelos diferentes por semana

Na atual coleção de primavera/verão da Loors e da Le Rêve são oferecidos 30 modelos diferentes por semana, com produção de 400 a 700 peças por modelo, conta o empresário Júnior Lorensini. É difícil mensurar a quantidade exata, pois cada corte possui um tamanho diferente, varia muito do perfil da peça. No caso da infantil, os cortes deverão ser menores, pois o consumidor precisará conhecer primeiro a marca, explica.

Para dar conta de todo o processo, ele avalia que indiretamente mais de 3 mil pessoas prestem serviço para a empresa, incluindo os terceirizados, vendedores, representantes e colaboradores das facções de costura e acabamento.

Com o aumento de 20% no volume de produção para 2015, o empresário não se arrisca em apontar um número de contratações, mas enfatiza que a preparação está sendo feita sem preocupações, já que a região é propícia para o ramo da confecção.

Reforço

Os pontos fixos de venda têm garantido o crescimento das marcas, mas colocar o pé na estrada servirá de reforço e estratégia para aumentar o volume de vendas da Loors. Para tanto, a empresa já trabalha na contratação de representantes e confecção de mostruários. No segmento infantil, as peças serão introduzidas nas lojas já existentes, mas prevendo espaços exclusivos no futuro.

O diretor Júnior Lorensini explica que deverão ser investidos no processo 15% do faturamento de 2014 – ele não revela a estimativa de valor. Com o aumento da receita, a empresa espera lucrar 30% a mais já no próximo ano.

A empresa mantém unidades paranaenses em Maringá e Cianorte, além de São João do Sul, Indaial e Brusque, em Santa Catarina. O empresário ressalta também que enxerga oportunidade para instalação de outros pontos no Mato Grosso do Sul e que já há estudos em andamento para isso.

Ao todo, são oito lojas de atacado da marca Le Rêve e uma de varejo. Já a Loors trabalha com quatro unidades em shoppings atacadistas – número que deve subir para oito já no próximo ano. Além disso, as marcas estão em dezenas de lojas multimarcas do Sul do país e também em Minas Gerais e São Paulo.

Atacado

Apostar na linha de atacado foi a decisão mais acertada, acredita Júnior, que largou a odontologia e a carreira de professor universitário para se dedicar ao negócio da família. De acordo com ele, as vendas nesse segmento garantem o fluxo constante e reforçam a identidade das marcas. A empresa aproveita ao máximo a estrutura oferecida pelas lojas de atacado para ter um faturamento real. A venda rápida, o acesso direto ao lojista, que tem em mãos e já leva aquilo que precisa, sem que a empresa tenha que se preocupar com entrega, facilita muito.

No entanto, Lorensini argumenta que o espaço físico é o coadjuvante do processo. A qualidade dos produtos, segundo ele, é que se destaca no mercado. Para isso, há constantes mudanças nos processos de produção. Além da melhoria da fibra, as pesquisas de opinião são convertidas nos padrões de criação. Com elas [as pesquisas], identificamos a necessidade de elaborar um produto mais focado, passando pelas lavagens, cortes e cores, explica o empresário.




Leia também: