Dívidas serão foco do 13º salário e presentes ficam de lado


De acordo com pesquisa realizada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (ANEFAC), 74% dos brasileiros devem usar o 13º saláriopara pagar dívidas neste final de ano.

O percentual é maior do que no ano de 2014, quando 68% dos entrevistados afirmavam que usariam o benefício para pagar dívidas.

Houve também uma mudança na intenção de usar o 13º salário para a compra de presentes. Enquanto em 2014, 11% dos entrevistados pretendiam usar benefício para comprar presentes, neste ano o percentual foi reduzido para 8%, uma queda de 27,7%,

Da mesma forma, entre o ano passado e este também diminuiu de 11% para 8% o percentual de pessoas que pretende poupar e aplicar o 13º para fazer frente às despesas de início do ano, como IPVA, IPTU, material e matrículas escolares. 

Assim como no ano passado, 2% dos entrevistados usarão o 13º salário para comprar imóveis ou reformá-los e apenas 2% pretendem investir parte do valor que restar.

A pesquisa também mostra que tanto em 2014, como em 2015, 6% dos brasileiros solicitaram parte do 13º salário ao longo do ano, junto às férias, ou solicitaramempréstimos a bancos para antecipar o benefício.

Principais dívidas 

De acordo com a Anefac, dentre os entrevistados que pretendem usar o 13º salário para pagar dívidas, a maioria (44%) usará o dinheiro para quitar pendências no cartão de crédito. Em 2014, o percentual era de 43%. 

cheque especial é a segunda principal modalidade de dívida a ser quitada, citada por 39% dos entrevistados. Em 2014, 38% disseram que usariam o benefício para pagar dívidas nessa linha de crédito.

Os resultados mostram que, assim como nos outros anos, grande parte dos consumidores (83%) têm dívidas contraídas no cheque especial e no cartão de crédito e pretendem utilizar os recursos do 13º salário para regularizá-las.

Em terceiro lugar, aparecem as dívidas com financiamentos bancários em atraso, citados por 7% dos entrevistados - ante 8% em 2014.

Uma parcela menor, de apenas 4% dos entrevistados usará o 13º salário para regularizar dívidas junto ao comércio que levaram seu nome a ser negativado. E o mesmo percentual, 4%, usará o benefício para regularizar dívidas em atraso com o comércio, mas que não chegaram a deixar seu nome sujo. Em 2014, 4% usaram o dinheiro para regularizar o nome e 5% para regularizar dívidas em atraso, mas sem negativação.




Leia também: