Um só coração, e muita gratidão


Quem conhece o Sr. Ageu Salustiano de Castro 52 anos, sabe das lutas e dificuldades enfrentadas por ele em função de um problema cardíaco descoberto após uma avaliação periódica na cooperativa Coopavel na cidade de Cascavel, ele nasceu em Mandaguaçu no norte do paraná e no ano de 1976 veio para Cascavel segundo Ageu que começou a trabalhar na cooperativa no dia 04 de janeiro de 1982, como operador de máquina, foi aonde conheceu o hoje diretor do Sintrascoop, Manoel Lucca, (que mais tarde seria fundamental na recuperação), Ageu sentia alguns sintomas como dor no braço, canseira entre outros o que o fez procurar os médicos, e um certo dia após trabalhar durante toda a noite, em outubro de 2008, voltou para casa e no dia seguinte ao meio dia foi até a Coopavel realizar exames periódicos, e onde durante o aferimento da pressão arterial foi identificado a alteração estava 14 x 28, imediatamente os médicos o suspenderam as atividades e começaram a realizar os exames médicos e foi diagnosticado, o coração estava crescendo e foi necessária a realização de 3 pontes safenas, cateterismo, angioplastia e depois cirurgia e tratamento, hoje seu Ageu continua morando em Cascavel onde tem a família a esposa Eva Barcelos de Castro com quem teve três filhos, Ângelo, Adriano e André, todos foram fundamentais na recuperação e no tratamento, dando apoio e ajudando no que podiam, atualmente ele continua o tratamento, mas segundo ele já está muito melhor e consegue ter uma rotina normal com a família.

Segundo ele o apoio do Sintrascoop foi fundamental, ele trabalhava no mesmo setor do diretor Moreno, que levou a situação até a sede do Sindicato em Cascavel, e em uma reunião de diretoria o presidente junto aos demais diretores colocaram a estrutura do Sintrascoop a disposição para ajudar, foi ai que o colega de trabalho reencontrou seu companheiro, mas desta vez não era pra jogar futebol ou bater um papo, a necessidade era outra, “o sindicato através do Manoel me ajudou muito, quantas vezes vieram me buscar aqui pra levar para fazer exames, na parte de documentação eles fizeram tudo pra mim, sempre estavam vindo em minha casa, ver se precisava de alguma coisa, além do apoio moral, importante para uma pessoa que estava na minha situação, só tenho é que dizer obrigado e fiquei sabendo que já fizeram isso pra muitos outros, então não me deram apoio só porque éramos amigos, mas porque sempre ajudam todos que procuram” disse seu Ageu.




Leia também: