43 policiais são suspeitos de facilitar o contrabando na região de fronteira.


Quarenta e três policiais são suspeitos de facilitar o contrabando de carros usados na região de fronteira. Eles e outras 65 pessoas são o alvo de uma operação deflagrada pela Polícia Federal (PF) nesta quinta-feira (17). Os veículos são utilizados no contrabando de cigarros. Vinte e duas pessoas foram presas no Paraná até as 9h10. A assessoria de imprensa da PF não soube quantos policiais já foram detidos. Cerca de 600 policiais federais do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso participam da operação. O órgão informou que 150 mandados de busca e apreensão e 108 de prisão serão cumpridos nesta quinta-feira. A Operação Láparos é liderada pela PF de Guaíra, no Oeste do Paraná. A operação da PF ocorre em seis estados: Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia. Segundo a PF, os mandados devem ser cumpridos em 38 cidades paranaenses. As investigações da PF duraram 14 meses e dão conta do envolvimento de 43 policiais paranaenses: 29 PMs, 13 policiais civis e um da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A PF contou o apoio do Ministério Público do Paraná (MP-PR), da Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná e da Corregedoria Regional da PRF. Durante as investigações, 202 pessoas foram presas. Houve também a apreensão de 3 milhões de pacotes de cigarros, 6,5 toneladas de agrotóxicos contrabandeados do Paraguai, 19 caminhões, 76 veículos e 13 embarcações. Os detalhes da operação serão divulgados em uma coletiva em Guaíra, no Oeste do Paraná, às 15 horas desta quinta-feira.



Leia também: