Economia brasileira fica estagnada no 3º trimestre.


A economia brasileira registrou um crescimento de 0% no terceiro trimestre do ano na comparação com os três meses anteriores e um avanço de 2,1% em relação ao mesmo período de 2010, uma desaceleração esperada pelo mercado devido à crise com epicentro na Europa, segundo dados oficiais. Em 12 meses, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro acumula uma alta de 3,7% e nos primeiros nove meses do ano houve um aumento de 3,2%, informou nesta terça-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No segundo trimestre, o PIB do Brasil avançou 0,8% na comparação com os primeiros três meses do ano, e no primeiro trimestre a alta do PIB foi de 1,3%, em relação aos três meses anteriores. "Não era de se esperar outra coisa que não a queda do PIB agora", por causa da "política contracionista" implementada pelo Banco Central desde o início do ano, com aumento da taxa de juros no final de agosto e aperto fiscal, considerou em um comunicado André Perfeito, economista-chefe da consultoria Gradual Investimentos. "Outro fator relevante foi a piora da situação da Zona Euro neste terceiro trimestre, o que impactou em grande medida os investimentos", acrescentou. O governo brasileiro revisou para baixa várias vezes suas previsões de crescimento para este ano e considera que a economia crescerá 3,5% em 2011 - contra um aumento do PIB de 7,5% no ano passado - em parte graças a uma reativação no quarto trimestre. O mercado projeta um crescimento próximo de 3%. Para 2012, o governo do Brasil aposta em um crescimento de 5%, impulsionado pela redução das taxas de juros e pelos pacotes de incentivos fiscais e incentivos à industria. O Banco Central reduziu três vezes consecutivas desde agosto a taxa básica de juros, que chegou a 11% ao ano, para enfrentar os solavancos da crise econômica internacional. "O Brasil está mais imune e melhor protegido do que outros países dos efeitos da contaminação, das consequências da crise do euro", considerou na quinta-feira passada em Brasília a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde. No terceiro trimestre de 2011, o setor agropecuário cresceu 3,2% em relação ao trimestre anterior, enquanto que os serviços e a indústria tiveram variações negativas, de -0,3% e -0,9% respectivamente, indicou o IBGE. A agropecuária se destaca também com uma alta de 6,9% no terceiro trimestre de 2011 em relação ao mesmo período do ano passado. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, deve conceder nesta terça uma entrevista coletiva à imprensa sobre os números de crescimento. Fonte: Site; Jornal Gazeta do Povo, (06/12/2011).



Leia também: