Ex-Ministro da Agricultura conduz palestra sobre as tendências do cooperativismo.


 
Cooperativismo. Esta é uma palavra pouco utilizada quando o assunto é montar um negócio. Ouve-se falar em cooperativas, mas pouco se conhece sobre elas. Há quem acredite que um dos princípios que norteiam o cooperativismo é a filantropia. Contudo, o cooperativismo consiste num modelo econômico, dirigido e organizado por quem fornece produtos e presta serviços, que visa ao bem-estar social, sim, mas aliado à prosperidade do negócio e ao desenvolvimento econômico. As decisões são tomadas com base no interesse dos cooperados, no qual as despesas e os ganhos, conhecidos como sobras, são repartidos entre os integrantes, respeitando-se a proporção da contribuição. Segundo Malaquias Ancelmo de Oliveira, presidente do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo em Pernambuco, Sistema OCB-Sescoop/PE, o cooperativismo é uma atividade de grande importância no âmbito da realidade européia, mas que ainda é pouco difundida em países como o Brasil. “Conhece-se muito pouco sobre o assunto, principalmente em nosso Estado. Apesar disso, há cooperativas que são bastante conhecidas pelo trabalho que realizam em suas especialidades, como é o caso da Unimed e Unicred, que atuam nos Ramos Saúde e Crédito”, pontuou o presidente. Com o objetivo de aprofundar o tema e também de encerrar a série de celebrações do Dia Internacional do Cooperativismo, comemorado sempre no primeiro sábado de julho de cada ano, o Sistema OCB-Sescoop/PE promove, no próximo dia 19 de agosto, a palestra Tendências do Cooperativismo. O assunto será abordado pelo ex-ministro da Agricultura e um dos nomes mais representativos do cooperativismo no mundo, Roberto Rodrigues, que foi o primeiro latino-americano a presidir a Aliança Cooperativa Internacional (ACI). Aberto ao público e de entrada franca, a palestra acontece no auditório G1 da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), às 20h. Na ocasião será lançado, ainda, o I Prêmio de Jornalismo Cooperativista. História – A ideia deste modelo econômico surgiu na Inglaterra, no período pós-Revolução Industrial, no século XVIII. No Brasil, o cooperativismo teve uma atuação tímida no período da colonização portuguesa. No entanto, esta atividade econômica passou a ser mais significativa com a influência da cultura alemã e italiana, quando estes imigraram para o país. No ano de 1969 foi criada a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), entidade reconhecida constitucionalmente como representante oficial do setor. Através da Lei n° 5.764, sancionada em 1971, houve a criação de regras específicas para nortear as cooperativas. Atualmente, o cooperativismo está presente em mais de cem países, principalmente nos países da Europa. Para ter uma ideia de sua dimensão, só no ano de 2008, as 300 maiores cooperativas do mundo registraram um faturamento de US$ 1,1 trilhão, gerando mais de 100 milhões de emprego. 2012, ano do cooperativismo – Sob o tema “Cooperativas constroem um mundo melhor”, 2012 foi estabelecido como o Ano Internacional das Cooperativas. A iniciativa partiu da Organização das Nações Unidas (ONU), em parceria com a Aliança Cooperativa Internacional (ACI). A proposta é a de ratificar a expressividade do cooperativismo e destacar o potencial deste movimento. No mundo todo existem, aproximadamente, 800 milhões de pessoas cooperadas. No Brasil este número é de 30 milhões de pessoas. Fonte: Site; Revista do Cooperativismo, (04/01/2012).



Leia também: